Feira de Reabilitação: Reatch 2017

Organizada e promovida pela Cipa Fiera Milano, a Reatech – Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade é considerada a principal feira do setor na América Latina. A cada edição, reúne cerca de 300 expositores dos segmentos de agências de emprego voltadas para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, instituições financeiras, fabricantes de cadeiras de rodas, departamentos de recursos humanos, indústrias farmacêuticas, indústrias dos segmentos de animais treinados, veículos adaptados para deficientes físicos (carros, ônibus, vans), fabricantes de aparelhos auditivos, equipamentos especiais, materiais hospitalares, higiene pessoal, próteses e órteses, terapias alternativas, turismo e lazer.

Em 2017, a feira acontecerá entre os dias 1º e 4 de junho (1º e 2, das 13h às 20h, e 3 e 4, das 10h às 19h), e virá totalmente repaginada. A 15ª edição de Reatech será em um dos novos pavilhões do São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, a fim de atender plenamente as necessidades de seus expositores e visitantes. Serão 4 dias de evento recheados de atividades culturais e sociais, como: equoterapia, teste drive de carros adaptados, quadras poliesportivas, seminários, workshops e oficinas com profissionais renomados.

Data: de 1 a 4 de junho de 2017

Horário: 1 e 2, das 13h às 20h | 3 e 4, das 10h às 19h00

Local: São Paulo Expo Exhibition & Convention Center

Endereço: Rodovia dos Imigrantes, KM 1,5 – Água Funda, São Paulo – SP, 04329-100

Frequência: Bienal

Transporte gratuito: Rua Nelson Fernandes, 450 – Acesso pelo Terminal Rodoviário do Jabaquara.

Estacionamento: O São Paulo Expo Exhibition & Convention Center possui um estacionamento com capacidade para mais de 4.200 veículos. Consulte preços e horário de funcionamento no site Link Externo www.saopauloexpo.com.br

Táxi comum:

  • Aeroporto Congonhas – Centro de Exposições São Paulo Expo: (Veja valores)
  • Aeroporto Guarulhos – Centro de Exposições São Paulo Expo: (Veja valores)
    * Os preços acima estão sujeitos a alteração e não são de responsabilidade da Cipa Fiera Milano.

Workshop: O bebê de risco avaliação e intervenção

Rede Lucy Montoro recebe, no Instituto de Medicina Física e Reabilitação (IMREA) Vila Mariana, o Workshop “O bebê de risco – avaliação e intervenção” nos dias 21 e 22 de abril.

O objetivo do workshop é promover um entendimento de como os bebês se desenvolvem em relação aos contatos com seus pais, cuidadores e o meio ambiente utilizando o conceito e os princípios Neuroevolutivo – Bobath. Organizado pela Abradimene e pela Inclusão Eficiente São Paulo, o workshop contará com palestras das profissionais da Saúde Sakae Yokota (fisioterapeuta), Oacy Veronesi (terapeuta ocupacional) e Regina Donnamaria Morais (fonoaudióloga).
Serviço:
Workshop “O bebê de Risco: Avaliação e Intervenção”
Carga-horária: 16h
Investimento: R$ 960,00 para o público em geral ou R$ R$ 800,00 para funcionários da Rede Lucy Montoro
Público-alvo: Fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos (as), devidamente inscritas em seus conselhos profissionais.
Certificação: Abradimene
Local: IMREA Vila Mariana
Endereço: Rua Diderot, nº43 (próximo ao metrô Chácara Klabin).
Inscrições: goo.gl/t5d3gf

Para mais informações, acesso o site a Inclusão Eficiente acessando este link.

Fundação Terra resgata a cidadania de quem vive na extrema pobreza Hoje em dia, instituição cresceu e tem projetos nas áreas social, cultural, da saúde e da educação. Sandra conversou com o criador, Padre Airton Freire

Fundação Terra é a entrevista da semana no Como Será? (Foto: Globo)Padre Airton Freire conta à Sandra Annenberg os motivos que levaram a morar no lixão (Foto: Globo)

Há 31 anos, na cidade de Arcoverde, sertão de Pernambuco, nascia a Fundação Terra. Criada na conhecida “rua do lixo” (por estar cercada por um lixão), a instituição tinha como objetivo resgatar a cidadania dos moradores daquela região, que viviam na extrema pobreza. Ao longo desses anos, a fundação cresceu e conseguiu atingir sua principal meta.

  A ideia nasceu a partir do dia em que uma jovem convidou o padre Airton Freire para conhecer a rua. Ele ficou tão impressionado com as pessoas quebrando pedras, catando lixo, crianças disputando comida com os animais que, na primeira missa que celebrou lá, decidiu ir morar com essa gente.

— Viver com eles, para eles, a partir deles. Como viveu Jesus. Quando a gente ajuda, mudamos a vida de muitas pessoas. Inclusive a nossa — resume padre Airton.

Hoje em dia, a fundação cresceu e tem projetos nas áreas cultural, social, da saúde e da educação para crianças, adolescentes e adultos. Entre os projetos está o Mens Sana, unidade especial de reabilitação motora, visual, auditiva e intelectual. O espaço atende 11 mil atendimentos por mês, conta com 70 profissionais e conta com pacientes de 55 municípios do sertão e do agreste.

História inspiradora, não? Então, clica no vídeo acima e confira mais detalhes sobre a Fundação Terra.

fonte http://redeglobo.globo.com/como-sera/noticia/2015/11/fundacao-terra-resgata-cidadania-de-quem-vive-na-extrema-pobreza.html

Smile Flame cria projetos divertidos para impactar a vida das pessoas Campeonato de skate dentro de um asilo, corrida maluca de cadeira de rodas são exemplos das iniciativas elaboradas por um grupo de publicitários

Caçadores de Bons Exemplos: smile flame; como será? (Foto: Globo)Smile Flame nasceu a partir de um desejo de impactar positivamente a sociedade com projetos originais (Foto: Globo)

Campeonato de skate dentro de um asilo? Corrida maluca com cadeirantes disputando o primeiro lugar? Pode isso? Sim, claro. Os responsáveis são jovens publicitários, que decidiram trabalhar para melhorar a vida das pessoas de uma maneira original, criativa e que fosse estimulante. OsCaçadores de Bons Exemplos foram conferir de pertinho o que essa galera faz.

 Daniel Mattos é cofundador da iniciativa Smile Flame e decidiu ir além do seu papel de diretor de arte numa agência de publicidade:

— Me formei em Publicidade e Propaganda e tinha aquele tesão em ser um grande diretor de arte, de ser um cara admirado. Trabalhava bastante, virava noites, mas, depois de um tempo, comecei a refletir sobre que pessoas eu estava impactando pelo meu trabalho e por que eu estava impactando. A partir desse processo de reflexão, parei e comecei a criar projetos diferenciados dentro da própria agência. Projetos que pensavam mais nas pessoas. Todos adoravam lá na agência, mas eles nunca saíam do papel.

Daniel, então, decidiu não só criar os projetos, mas se comprometeu a produzi-los.

Um dos projetos pensados pela trupe é o Skate no Asilo, onde os moradores de uma instituição são jurados de uma competição do esporte. Além de avaliar as manobras, os idosos comem pipoca, algodão doce e curtem o som de um DJ, que capricha no set list recheado de sucessos dos anos 1950/60. Assim, o dia passa leve, alegre e cheio de diversão.

Outro projeto idealizado é a Corrida Maluca de Cadeirantes. As crianças podem transformar suas cadeiras de rodas em uma carruagem, por exemplo, ou uma biga ou até mesmo um castelo.

— É isso que nos move e nos faz levantar todos os dias com um sorriso de orelha a orelha — resume Daniel.

fonte: http://redeglobo.globo.com/como-sera/cacadores-de-bons-exemplos/noticia/2015/11/smile-flame-cria-projetos-divertidos-para-impactar-vida-das-pessoas.html

 

Sensibilidade, textura e cores… criatividade para uma brincadeira perfeita!

Fazendocommamae-6

Material:

– areia, grão de arroz ou grão de canjica

– tinta guache ou corante

Como fazer:

– Faça o tingimento dos grãos deixe secar e separe em saquinhos

Como brincar:

– Ofereça os grãos para criança

– Deixe que manipule, explore e sinta os grãos

– Trabalhe a criatividade deixando que decida a brincadeira

– Você pode sugerir de misturar as areias pegando com a colher e depois fazer com a mão para perceber textura áspera

– Ela pode fazer desenho usando areia, permita que espalhe com os dedos em cima de um tabuleiro.

Projeto no Rio Grande do Sul atende alunos com defasagem escolar Equipe do Tá no Quadro foi conferir como funciona o Trajetórias Criativas

 

Como Será? tá no quadro (Foto: Globo)Alunos do projeto Trajetórias Criativas aprendem dentro e fora da sala de aula (Foto: Globo)

Um dos maiores problemas na defasagem escolar é a diferença entre a idade do aluno e o ano em que ele estuda. Por isso, um grupo de professores do Laboratório de Estudos em Educação à Distância do Colégio de Aplicação da UFRGS percebeu que dar aos estudantes a oportunidade de fazer tarefas que gostam e que tenham a ver com a história deles pode ser um grande incentivo aos estudos. Quem foi conferir o projeto Trajetórias Criativas para o Tá no Quadro foi o João Pedro, de 18 anos, estudante do terceiro ano do Ensino Médio.

  O projeto, desenvolvido em parceria com a Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul, trabalha com jovens entre 15 e 17 anos que deveriam estar no Ensino Médio. O modo como são transmitidos os conteúdos é diferente do tradicional. Com várias saídas a campo, os alunos percebem que o ambiente de aprendizagem é muito maior do que a sala de aula. Assim, eles passam muito mais tempo na escola e acabam criando uma relação melhor com ela. Um dos programas mais procurados é o de Iniciação Científica (veja vídeo acima).

— Eram alunos com problemas de disciplina, desinteressados, eram alunos que, de certo modo, estavam à margem do processo de educação. E esses alunos, quando aderiram ao projeto, a transformação foi imediata. Tanto é que o índice de aprovação é praticamente 99% — conta Genaro Ferreira, coordenador do Trajetórias Criativas.

Um desses estudantes é William, um ex-menino de rua que foi adotado aos 13 anos de idade. Ele não progredia nas atividades escolares e tinha dificuldades de relacionamento. Até que começou a praticar atletismo no Trajetórias e foi convidado a integrar uma equipe de um importante centro esportivo de Porto Alegre.

O Trajetórias Criativas funciona principalmente como atividade extracurricular, mas também abrange a grade normal da escola. O trabalho é realizado em 12 colégios de Porto Alegre e pretender crescer mais.

Toque entre pais e bebês ajuda no desenvolvimento motor da criança

Esse contato físico também estabelece vínculo e estimula a produção de leite, mesmo que o neném não consiga sugar o alimento

Contato físico entre pais e bebês ajuda no desenvolvimento físico e motor da criança. Como Será? (Foto: Globo)Contato físico é capaz de estimular a produção do leite materno (Foto: Globo)

O toque entre os pais e recém-nascidos é mais importante do que a gente pensa. Ele ajuda e muito no desenvolvimento físico e motor da criança, sendo ainda mais importante para aqueles que nascem prematuros! Por isso, existem iniciativas que chamam a atenção para esse gesto tão simples e ao mesmo tempo tão poderoso, como o projeto Canguru, da rede pública de saúde do Rio de Janeiro.

As mães internadas na ala canguru passam o tempo todo com o bebê, lado a lado. Entre os vários benefícios esse contato estabelece vínculo e estimula a produção de leite, mesmo que o bebê não consiga sugar o alimento.

 — Isso é muito importante porque não é fácil produzir leite estando nesse cenário, vendo seu neném ali, com todos os temores que cercam o neném na UTI. Então, essa possibilidade de você botar pele na pele faz toda a diferença — explica a coordenadora do Centro de Referência Método Canguru, Nicolli Gianini (assista ao vídeo ao lado).

O contato entre pais e bebês não é importante só para os que nascem prematuros. Grávidas e mães podem aprender a Shantala, massagem oriental que também valoriza a importância do toque na relação entre pais e filhos. A técnica pode ser aplicada a partir do momento do nascimento e pode ajudar a curar e até prevenir problemas de saúde nos bebês. A massagem também deve ser praticada pelo pai do neném porque ajuda na construção da relação entre os dois. A interação não tem contraindicações e só traz benefícios para toda a família.

— A Shantala é um momento do dia onde eu me forço a parar. Eu tenho prazer… É um relaxamento meu também. A gente se beneficia desse momento também, não só o bebê — conta a jornalista Antonia Leite Barbosa, mãe do Lucas.

Fonte: http://redeglobo.globo.com/como-sera/noticia/2015/10/toque-entre-pais-e-bebes-ajuda-no-desenvolvimento-motor-da-crianca.html