Fundação Terra resgata a cidadania de quem vive na extrema pobreza Hoje em dia, instituição cresceu e tem projetos nas áreas social, cultural, da saúde e da educação. Sandra conversou com o criador, Padre Airton Freire

Fundação Terra é a entrevista da semana no Como Será? (Foto: Globo)Padre Airton Freire conta à Sandra Annenberg os motivos que levaram a morar no lixão (Foto: Globo)

Há 31 anos, na cidade de Arcoverde, sertão de Pernambuco, nascia a Fundação Terra. Criada na conhecida “rua do lixo” (por estar cercada por um lixão), a instituição tinha como objetivo resgatar a cidadania dos moradores daquela região, que viviam na extrema pobreza. Ao longo desses anos, a fundação cresceu e conseguiu atingir sua principal meta.

  A ideia nasceu a partir do dia em que uma jovem convidou o padre Airton Freire para conhecer a rua. Ele ficou tão impressionado com as pessoas quebrando pedras, catando lixo, crianças disputando comida com os animais que, na primeira missa que celebrou lá, decidiu ir morar com essa gente.

— Viver com eles, para eles, a partir deles. Como viveu Jesus. Quando a gente ajuda, mudamos a vida de muitas pessoas. Inclusive a nossa — resume padre Airton.

Hoje em dia, a fundação cresceu e tem projetos nas áreas cultural, social, da saúde e da educação para crianças, adolescentes e adultos. Entre os projetos está o Mens Sana, unidade especial de reabilitação motora, visual, auditiva e intelectual. O espaço atende 11 mil atendimentos por mês, conta com 70 profissionais e conta com pacientes de 55 municípios do sertão e do agreste.

História inspiradora, não? Então, clica no vídeo acima e confira mais detalhes sobre a Fundação Terra.

fonte http://redeglobo.globo.com/como-sera/noticia/2015/11/fundacao-terra-resgata-cidadania-de-quem-vive-na-extrema-pobreza.html

Anúncios

Smile Flame cria projetos divertidos para impactar a vida das pessoas Campeonato de skate dentro de um asilo, corrida maluca de cadeira de rodas são exemplos das iniciativas elaboradas por um grupo de publicitários

Caçadores de Bons Exemplos: smile flame; como será? (Foto: Globo)Smile Flame nasceu a partir de um desejo de impactar positivamente a sociedade com projetos originais (Foto: Globo)

Campeonato de skate dentro de um asilo? Corrida maluca com cadeirantes disputando o primeiro lugar? Pode isso? Sim, claro. Os responsáveis são jovens publicitários, que decidiram trabalhar para melhorar a vida das pessoas de uma maneira original, criativa e que fosse estimulante. OsCaçadores de Bons Exemplos foram conferir de pertinho o que essa galera faz.

 Daniel Mattos é cofundador da iniciativa Smile Flame e decidiu ir além do seu papel de diretor de arte numa agência de publicidade:

— Me formei em Publicidade e Propaganda e tinha aquele tesão em ser um grande diretor de arte, de ser um cara admirado. Trabalhava bastante, virava noites, mas, depois de um tempo, comecei a refletir sobre que pessoas eu estava impactando pelo meu trabalho e por que eu estava impactando. A partir desse processo de reflexão, parei e comecei a criar projetos diferenciados dentro da própria agência. Projetos que pensavam mais nas pessoas. Todos adoravam lá na agência, mas eles nunca saíam do papel.

Daniel, então, decidiu não só criar os projetos, mas se comprometeu a produzi-los.

Um dos projetos pensados pela trupe é o Skate no Asilo, onde os moradores de uma instituição são jurados de uma competição do esporte. Além de avaliar as manobras, os idosos comem pipoca, algodão doce e curtem o som de um DJ, que capricha no set list recheado de sucessos dos anos 1950/60. Assim, o dia passa leve, alegre e cheio de diversão.

Outro projeto idealizado é a Corrida Maluca de Cadeirantes. As crianças podem transformar suas cadeiras de rodas em uma carruagem, por exemplo, ou uma biga ou até mesmo um castelo.

— É isso que nos move e nos faz levantar todos os dias com um sorriso de orelha a orelha — resume Daniel.

fonte: http://redeglobo.globo.com/como-sera/cacadores-de-bons-exemplos/noticia/2015/11/smile-flame-cria-projetos-divertidos-para-impactar-vida-das-pessoas.html