AMBULIFT faz o transporte do Deficiente para Aeronave

201418102128_AMBU_materia
O equipamento funciona a partir de uma plataforma elevatória que transporta a pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida até a aeronave. Estacionando bem ao lado da porta do avião, a plataforma conduz o passageiro com maior segurança.

O ambulift já funciona nos aeroportos de Presidente Prudente, Bauru, Araçatuba, São José do Rio Preto e Araraquara. A previsão é de que os próximos aparelhos sejam entregues nos municípios de Ribeirão Preto e Marília.

Saiba mais:

http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/ultimas-noticias/entrega-de-ambulift-concorre-ao-premio-acessibilidade-2013

 

Exposição “Para Todos” – A História do Movimento Político das Pessoa com Deficiência (Vitória – ES)

pessoas-com-deficiencia-exposição “para todos” chega em vitória (es)_0

Exposição “Para Todos – A História do Movimento Político das Pessoa com Deficiência” está na capital capixaba para encerrar o ciclo itinerante da sua segunda edição. A exposição está no Pilotis da Ales até o dia 7 de fevereiro com acesso gratuito de segunda à sexta-feira, das 9 às 17 horas. A mostra é realizada em parceria entre a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), Organização dos Estados Ibero-Americanos para Educação, Ciência e Cultura-OEI e Caixa Econômica Federal.

O diretor de Políticas Temáticas da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), Luiz Clóvis Guido Ribeiro, participou da solenidade de abertura nessa terça-feira (21). “É necessário que as pessoas conheçam a história deste movimento de luta da sociedade para que possam entender a dimensão dos avanços e percebam ao final que esta é uma luta que pertence a todos”, afirmou.

Guido disse ainda que o Estado tem o dever de promover a inclusão das pessoas com deficiência e que o direito à cultura permite que o segmento exerça sua ampla cidadania. A segunda edição da mostra passou por outras cinco capitais, Curitiba/PR, Goiânia/GO, Brasília/DF, Teresina/PI, Salvador/BA e recebeu mais de 30 mil visitantes.

A abertura da etapa capixaba contou com a presença do presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales), deputado Genivaldo Lievore, do superintendente regional em exercício da Caixa Econômica Federal, José Carlos Cassoli e do secretário estadual de Direitos Humanos do Estado do Espírito Santos, Perly Cipriano.

Exposição 100% acessível – O formato da exposição proporciona que os visitantes percorram, por meio de uma linha do tempo, como as pessoas com deficiência eram vistas no decorrer da história e os acontecimentos que as levaram ao protagonismo político.

A mostra apresenta uma sequência de painéis nas cores cinza, vermelho e branco que simbolizam etapas desta luta na história. O cinza representa a invisibilidade e a discriminação sofrida pelas pessoas ao longo dos tempos, o vermelho mostra a luta destas pessoas na busca pelos seus direitos e o branco simboliza uma fase de conquistas. Esta edição possui mais recursos multimídia, possibilitando experiências tácteis a partir de modelos, descrição em Braille, áudio descrição e guias para descrição em Libras.

Assessoria de Comunicação Social

http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/noticias/exposicao-para-todos-chega-em-vitoria-es

Plasticidade Cerebral

brain-biology-medical-research-biology-01-af

Entendemos que o aprendizado depende de neurônios conectados
através de inúmeros dendritos, constituindo uma rede de associação. Agora é preciso entender por que é fácil aprender quando se é jovem e que esta habilidade vai diminuindo quando nos tornamos velhos. Este conceito tem tudo a ver com a Plasticidade Cerebral.

A cada nova experiência do indivíduo, portanto, redes de dendritos são rearranjadas, outras tantas sinapses são reforçadas e múltiplas possibilidades de respostas ao ambiente tornam-se possíveis. Para tanto é necessário que existam neurônios disponíveis a sofrerem estas modificações. Quando um neurônio está envolvido em um aprendizado, estará protegido do processo natural de morte dessas células nervosas. Isso mesmo, naturalmente ocorre mortes de neurônios conforme vamos envelhecendo. Assim, conforme comentamos anteriormente, o número total de neurônios tende, inexoravelmente, a diminuir com o passar dos anos, a ponto de perdermos cerca de 60% dos que tínhamos ao nascer!

A tomografia de um idoso demonstra a enorme atrofia do cérebro provocado pela perda dos neurônios não conectados às redes de aprendizados. Quanto mais aprendemos, mais redes se formam e mais neurônios estarão disponíveis para propiciar plasticidade cerebral nos momentos de necessidade, como na velhice ou na recuperação da perda de capacidades mentais provocadas por doenças, acidentes vasculares cerebrais ou traumas.

Referência:

Contribuições da Neurologia à Docência – Autor: Vicente José Assencio-Ferreira e  Simone de Figueiredo Cruz.

Exposição “Sentir prá Ver”

2014123172935_sentirpraver_internapós (1)

 

Aconteceu na tarde desta quinta-feira, 23 de janeiro, a abertura da exposição “Sentir prá Ver”, no Memorial da Inclusão. Trata-se de uma seleção de 14 reproduções fotográficas acessíveis de obras do acervo da Pinacoteca do Estado.

A exposição de gêneros da pintura, com diferentes técnicas, fica no Memorial até 31 de março e busca de forma inclusiva apresentar obras do acervo do museu à todos, pessoas com e sem deficiência.

Para a realização da exposição foram adicionados recursos de acessibilidade para auxiliar na locomoção da pessoa com deficiência física e/ou mobilidade reduzida, e para estimular a compreensão das obras para pessoas com deficiência visual.

Segundo Elza Ambrósio, coordenadora do Memorial da Inclusão, há quase um ano tentam realizar essa exposição no Memorial da Inclusão. “Uma exposição como essa, totalmente acessível, é um presente para a cidade de São Paulo, que completa 460 anos dia 25”, finalizou. Amanda Tojal, curadora da exposição, agradeceu o apoio do Memorial da Inclusão e destacou, “o conceito de acessibilidade deveria ser assim em todas as exposições”.

SERVIÇO

Exposição Sentir prá Ver
Data: 24 de janeiro a 31 de março
Local: Memorial da Inclusão
Endereço: Rua Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10 – Barra Funda

http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/ultimas-noticias/memorial-da-inclusao-recebe-exposicao-%E2%80%9Csentir-pra-ver%E2%80%9D